Receitas sem leite e sem ovo

Avalie!
5.0 4
4
Envie uma foto desta receita! Adicionar ao livro
Ingredientes
  • Biscoito de Chocolate
  • Ingredientes
  • 1 xícara de chá de farinha de trigo
  • 1 colher de café de fermento em pó
  • ¾ xícara de chá de açúcar
  • 2 colheres de sopa de margarina sem leite
  • ¼ de xícara de chá de óleo
  • ½ xícara de chá de chocolate em pó sem leite
  • Modo de preparar
  • Misturar todos os ingredientes numa vasilha. Se necessário, acrescentar água na massa (umas duas colheres de sopa) até dar liga. Fazer bolinhas e colocá-las numa assadeira untada com óleo e polvilhada com farinha de trigo. Amassar as bolinhas apertando co
  • Fatias Húngaras
  • Ingredientes
  • Massa:
  • 2 tabletes de fermento para pão
  • 5 colheres de sopa de açúcar
  • 2 xícaras de chá de leite de soja morno
  • ¼ de xícara de chá de óleo
  • 1 colher de sopa de margarina sem leite
  • 1 Kg de farinha de trigo
  • Recheio:
  • 5 colheres de sopa de margarina sem leite
  • 1 xícara de chá de açúcar
  • 1 pacote (100g) de coco ralado
  • Calda:
  • 2 xícaras de chá de leite de soja
  • 1 xícara de chá de açúcar
  • Modo de preparo:
  • Numa vasilha misture o fermento, o açúcar e o leite. Acrescente os outros ingredientes e misture até obter uma massa que desgrude das mãos. Se precisar, acrescente um pouco mais de farinha. Cubra e deixe descansar por 30 minutos.
  • Faça o recheio: bata a margarina com o açúcar. Junte o coco e misture.
  • Divida a massa ao meio e abra dois retângulos de 45x30 cm. Espalhe o recheio deixando uma borda de 2cm e enrole como rocambole. Feche as pontas. Cortes em fatias e disponha-as em duas assadeiras untadas de 43x29 cm, com espaço de 1 cm entre elas. Deixe cr
  • Leve ao forno moderado pré-aquecido (180 graus) por 25 minutos ou até dourar.
  • Faça a calda: coloque o leite eo açúcar numa panela e leve ao fogo até ferver. Despeje sobre as fatias.
  • Bolo de cenoura sem leite e sem ovos
  • Ingredientes:
  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 (1/4) xícaras de açúcar
  • 1 xícara de cenouras picadinhas
  • 1 colher de sopa de margarina sem leite (por exemplo, becel original)
  • 2 colheres de sopa de leite de soja em pó (costumo usar o supra soy sem lactose)
  • (1/2) xícara de leite de coco
  • (1/2) xícara de óleo de milho
  • (1/2) xícara de água
  • 1 colher de sobremesa cheia de fermento químico em pó
  • Modo de preparar:
  • Bata a cenoura, a água, o leite de coco e o óleo de milho no liquidificador. Adicione os demais ingredientes e misture. Coloque em uma forma untada e polvilhada com farinha.
  • Leve ao forno médio, leva cerca de 35 a 40 minutos para assar.
  • Cobertura:
  • Ingredientes:
  • 8 colheres de sopa de açúcar
  • 2 colheres de sopa de chocolate em pó sem leite
  • 2 colheres de sopa de leite de soja
  • 1 colher de sopa de margarina sem leite
  • 1 colher de sopa de óleo de milho
  • Levar ao fogo até obter uma calda grossa. Espalhe sobre o bolo logo em seguida. Ao escolher a margarina e o chocolate em pó, leia sempre os ingredientes. Muitas margarinas possuem "soro de leite", e portanto, não podem ser consumidas por crianças que são
  • Dica de lanche: Sobremesa de chocolate da Batavo sem leite
  • Encontrei no supermercado uma sobremesa de chocolate da Batavo. Parece com um pudim de chocolate, 100% vegetal. Achei uma boa opção para as crianças levarem de lanche na escola.
  • Bolo de banana
  • Este bolo de banana com açúcar mascavo não fica muito doce. Ele também pode ser feito sem o açúcar mascavo (colocando o açúcar branco no lugar), o que o torna bem mais doce.
  • Ingredientes:
  • 2 xícaras de farinha de trigo
  • 1 xícara de açúcar mascavo
  • (1/2) xícara de açúcar comum (refinado, branco)
  • 1 colher de sopa rasa de fermento em pó
  • (1/2) xícara de óleo
  • 1 colher de sopa de margarina sem leite (por exemplo, a Becel)
  • (3/4) de xícara de leite de soja
  • 4 bananas picadas em pedaços pequenos
  • uva passa a gosto
  • Modo de preparar:
  • Misturar a farinha, o açúcar mascavo e branco, o fermento, o óleo, a margarina e o leite de soja. Acrescentar as bananas e uva passa. Levar para assar em forno pré-aquecido numa assadeira untada e polvilhada com farinha (temperatura média). Deve levar cer
  • Esfiha (receita para quem tem alergia a leite e ovo, ou intolerância à lactose)
  • Sempre faço esta receita de esfiha sem leite e sem ovos para minha filha. Depois de assado, costumo congelar, é muito prático.
  • Ingredientes:
  • 1 cebola grande
  • 1 copo de óleo
  • sal a gosto
  • 50 gramas de fermento Fleshman
  • 2 colheres de sopa de açúcar
  • 1 copo e meio de leite de soja morno
  • farinha o quanto basta (mais ou menos 1 kg)
  • Bata no liquidificador a cebola, o óleo e o sal. Numa bacia colocar o fermento, o açúcar e o leite morno. Adicionar a mistura batida no liquidificador e a farinha. Sovar a massa, cobrir com um pano de prato limpo ou filme plástico e deixar crescer. Depois
  • Polenta sem leite
  • Experimentei fazer esta receita ontem, e o pessoal daqui de casa aprovou. Eu já havia tentado simplesmente retirar o leite da receita, mas não fez muito sucesso com minha filha pequena. Também já tentei fazer a receita com leite de soja, mas o gosto adoci
  • Ingredientes
  • 1 dente de alho picado
  • 2 colheres de sopa de óleo
  • 1 litro de água
  • 1 xícara de fubá
  • sal a gosto
  • 3 colheres de sopa de creme de soja
  • 1 colher de sopa de margarina sem leite
  • Fritar o alho com o óleo numa panela grande. Acrescente a água, o fubá, e o sal. Misture até que a mistura comece a engrossar. Acrescente o creme de soja e a margarina e mexa bem. Tampe a panela e deixe cozinhar em fogo baixo, mexende de vez em quando, at
  • Pastel de Forno sem leite
  • Os pastéis desta receita ficam com bastante gosto de margarina, lembra um pouco pastéis de massa folhada. Estou procurando uma receita "mais leve". De qualquer forma, minha filha gostou bastante. A massa do pastel fica bem sequinha, sugiro fazer então um
  • Ingredientes
  • 1 (1/2) xícaras de farinha de trigo
  • 100g de margarina sem leite
  • 1 batata cozida amassada
  • 1 colher (café) de sal
  • 1 colher (chá) de vinagre
  • (1/4) xícara de óleo de milho
  • Recheio de sua preferência
  • Modo de fazer
  • Em uma vasilha misture a farinha, a margarina, a batata amassada, o óleo, o sal e o vinagre. Amasse bem até a massa ficar homogênea. Abra a massa com o rolo em superfície enfarinhada, corte 10 círculos de 11cm de diâmetro, distribua o recheio, feche os pa
  • Frango das Quatro Latas com creme de soja
  • Nesta receita costumo usar o creme de soja da Batavo (vem em caixinha de 200g) porque os cremes de soja de outras marcas parecem ser meio adocicados, o que altera um pouco o sabor da receita.
  • Ingredientes:
  • 1kg de filé de peito de frango
  • sal e pimenta a gosto.
  • óleo
  • 1 dente de alho
  • 1 cebola
  • 2 tomates sem pele
  • 1 vidro de champignon picado
  • 1 lata de milho em conserva
  • 1 lata de ervilha em conserva
  • 300g de creme de soja
  • Azeite de oliva
  • Batata palha
  • Modo de Preparar:
  • Refogue o frango em um pouco de óleo temperado com sal. Depois de refogado, retire-o da panela, deixe esfriar e desfie-o. Na gordura que ficou na panela, frite o alho e a cebola, em seguida acrescente os tomates para formar o molho. Quando o molho estiver
Como fazer
  1. A alergia alimentar é um tormento que afeta cerca de 8% das crianças.
  2. Pelo menos 40 sintomas podem estar associados a ela, entre cólica, vômito, diarréia (às vezes com sangue), urticária, coceira, otites de repetição, tosse, espirro, anemia, baixo crescimento, rinite, dor de cabeça, inchaço nos lábios, na língua e na garganta e choque anafilático.
  3. Os sintomas em geral surgem logo após a ingestão do alimento, mas podem aparecer alguns dias depois.
  4. 'Há muita desinformação sobre o assunto.
  5. Quando existe alguma suspeita, o ideal é procurar um especialista', recomenda a diretora-secretária da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, Maria de Fátima Marcelos Fernandes.
  6. O diagnóstico e o tratamento costumam ser feitos por exclusão: o alimento suspeito é retirado da dieta.
  7. Se os sintomas desaparecem, significa que ele não deve mais fazer parte do cardápio da criança.
  8. Depois de seis meses a um ano, tenta-se reintroduzir o alimento na dieta.
  9. Se os sintomas voltarem, ele é excluído novamente.
  10. Ovo A proteína da clara a albumina, é a causadora das alergias, mas recomenda-se excluir a gematambém da alimentação, pois é impossível separá-las completamente.
  11. Onde está Maionese, sorvete, pão-de-ló, suflês, musses e empanados macarrão, panquecas, bolachas, bolos, pão de queijo, entre outros.
  12. Nos rótulos, evite Albumina, ovomucóide, ovoalbumina e lisozima.
  13. Substituição Preparações sem ovos ficam com a textura prejudicada.
  14. Pode-se trocar cada ovo inteiro em tortas e bolos por uma colher de sobremesa de vinagre branco.
  15. O que é alergia a proteínas do leite? A alergia às proteínas envolve princípios completamente diferentes da intolerância à lactose.
  16. Não existe alergia à lactose, pois, sendo um açúcar, a lactose não apresenta alergenicidade.
  17. Diversas proteínas podem causar alergia, incluindo as do leite, do ovo, do trigo e do amendoim, dentre outras.
  18. Entretanto as proteínas do leite e as do ovo são as que causam maiores problemas às crianças de pouca idade.
  19. Nas proteínas do leite existem mais de 30 sítios alergênicos, que podem causar problemas.
  20. O que ocorre na alergia é a produção de grandes quantidades de imunoglobulinas contra os sítios alergênicos, causando reações as mais diversas.
  21. No caso da alergia, é muito difícil mudar os sítios ativos das proteínas, tornando-os inativos.
  22. A melhor forma é eliminar da alimentação as proteínas que contêm os sítios alergênicos ativos.
  23. Em alguns casos, ocorre também o que se chama de alergia cruzada, ou seja, os sítios alergênicos ocorrem também em proteínas de outros alimentos , além do leite de vaca.
  24. A alergia verdadeira é uma reação envolvendo o sistema imunológico do corpo, com formação de anticorpos nas células brancas do sangue.
  25. O sistema imunológico combate os invasores estranhos ao corpo usando os anticorpos.
  26. Quando esses invasores são bactérias e vírus perigosos, a resposta imunológica é necessária e desejável.
  27. No caso da alergia às proteínas do leite, por outro lado, a resposta imunológica seria desnecessária, além de causar diversos problemas.
  28. Como ocorre a intolerância à lactose ? A intolerância à lactose ocorre devido à inabilidade para digerir quantidades significativas do açúcar do leite, a lactose.
  29. Esta inabilidade resulta da falta de quantidade suficiente de uma enzima (lactase) no interior das vilosidades do intestino (dobras internas do intestino).
  30. Este problema ocorre com cerca de 25% dos brasileiros.
  31. Nestes casos, as pessoas não podem consumir a lactose, pois ela não é hidrolisada pela enzima lactase chegando-se à glicose e à galactose (seus constituintes).
  32. Em conseqüência não consegue atravessar a parede intestinal para ir para a corrente sangüínea.
  33. A lactose, então, continua dentro do intestino e chega ao intestino grosso, onde é fermentada por bactérias, produzindo ácido lático e gases (gás carbônico e o hidrogênio, que é usado nos testes de determinação de intolerância à lactose).
  34. A presença de lactose e destes compostos nas fezes no intestino grosso aumenta a pressão osmótica e drena água do corpo, causando a diarréia ácida e gasosa.
  35. A intolerância à lactose não envolve o sistema imunológico e os problemas são causados pela inabilidade de digestão da lactose.
  36. A intolerância à lactose só apresenta os sintomas de dores abdominais, diarréia ácida e gases.
  37. É muito comum a alergia às proteínas do leite? A alergia ao leite de vaca é uma das alergias mais comuns em crianças, talvez porque o leite de vaca usualmente é o veículo para a primeira proteína estranha ser introduzida no estômago das crianças.
  38. Nos adultos, a alergia pode ser considerada rara, parecendo ser mais comum em mulheres.
  39. Entretanto, pessoas de todas as idades podem apresentar alergia às proteínas do leite de vaca pela primeira vez, desde a adolescência até a idade adulta.
  40. Embora o leite de vaca esteja implicado com problemas de alergia, cerca de 50% das crianças apresentam alergia simultânea às proteínas de outros alimentos, incluindo ovos, soja , amendoim, achocolatados, laranja, peixes e trigo.
  41. Cerca de 50 a 80 % das crianças que apresentam alergia ao leite também podem apresentar alergia a inalantes alergênicos, como pólen, pêlos (de gato por exemplo), mofo, poeira de carpetes etc.
  42. Por que a alergia ao leite é maior na infância? A alergia surge basicamente devido a dois fatores: predisposição genética (do pai ou da mãe) e introdução de alimentos potencialmente alergênicos antes dos seis meses de vida.
  43. Quando nascem, os bebês têm um sistema imunológico imaturo e dependem muito dos anticorpos do leite da mãe.
  44. O sistema digestivo não está preparado para substâncias que não venham do leite da mãe.
  45. O fator principal que causa a alergia é a introdução precoce na alimentação de substâncias que causam alergias.
  46. Quais são os sintomas da alergia ao leite ? Diagnosticar alergia às proteínas dos alimentos requer muitas análises por parte dos médicos.
  47. A alergia pode ocorrer em mais de um alimento e os sintomas são os mais diversos.
  48. Isto torna difícil distinguir se os sintomas são devidos à alergia ao alimento ou a outros problemas.
  49. Os sintomas da alergia podem ser classificados em seis tipos: Geralmente, mais de um sistema do corpo estão envolvidos nas reações alérgicas.
  50. Os sintomas gastrointestinais são os mais comuns.
  51. Como pode ser observado, as reações realmente são muito diversas, dependendo de cada caso.
  52. Os sintomas da alergia podem surgir imediatamente ou até várias horas ou dias após a ingestão do alimento.
  53. Tipo 1 – Os sintomas iniciam dentro de 45 minutos da ingestão de pequenas quantidades do alimento, causando principalmente problemas na pele, eczema e urticária.
  54. Pode também apresentar problemas respiratórios (nariz escorrendo, chiado etc.
  55. ) ou gastrointestinais (vômito e diarréia).
  56. Estas crianças normalmente têm concentração de IgE elevada.
  57. Tipo 2 – Os sintomas iniciam diversas horas após a ingestão, Apresentando, principalmente,sintomas de vômito e diarréia.
  58. Tipo 3 – Os sintomas aparecem depois de 20 horas, ou até mesmo dias, após a ingestão,incluindo diarréia, com ou sem reações respiratórias ou na pele.
  59. A alergia que se manifesta rapidamente tende a ser facilmente diagnosticada e é detectada no teste da pele.
  60. Por outro lado, a alergia que se manifesta muito depois da ingestão não é facilmente diagnosticada e tende a produzir doenças crônicas que.
  61. às vezes, não são relacionadas facilmente com sua causa.
  62. O diagnóstico preciso, feito por um profissional, é essencial para que a causa seja determinada.
  63. Qual é o tratamento para a alergia ao leite? Quando uma criança apresenta sintomas de alergia a proteínas do leite, pode-se tomar diversas decisões, dependendo da gravidade do caso.
  64. Em crianças com poucos meses de vida, é muito difícil tomar decisões mais arriscadas (como experimentar outros alimentos), devido ao grande risco de problemas mais graves.
  65. Se a criança estiver apresentando alergia ao leite materno é possível, sob supervisão médica, retirar todos os alimentos que contêm leite (leite, queijos, iogurte, etc.
  66. ) da alimentação da mãe.
  67. Isto em razão de alguns segmentos de proteínas que tem sítios alergênicos ativos poderem estar passando para o leite materno.
  68. Neste caso, deve-se complementar a alimentação da mãe com produtos ricos em cálcio, em proteínas de boa qualidade, em vitaminas etc.
  69. , para evitar outros problemas.
  70. Durante a gestação, não é necessário que a mãe faça restrição da dieta devido a possíveis problemas alérgicos futuros.
  71. Quando a alergia for diagnosticada, o alimento que a está causando deve ser eliminado da alimentação da criança.
  72. É importante observar que, em alguns casos, a própria mãe pode estar consumindo as proteínas com sítios alergênicos, e passando-os para o próprio leite.
  73. Neste caso, deve-se eliminar estes produtos da alimentação da mãe.
  74. Esta é uma decisão muito séria e não deve ser tomada sem que haja uma certeza da causa do problema, pois o leite é um excelente alimento para as mães em lactação.
  75. Se o leite de vaca na alimentação da mãe for o problema, a mãe deve ler os rótulos dos alimentos, pois mesmo uma pequena quantidade de proteínas do leite pode causar problemas.
  76. Produtos como margarina, biscoitos, produtos de confeitarias, carne processada (salame, cachorro quente) etc.
  77. , podem conter leite.
  78. Se não houver melhoras, outras causas do problema devem ser investigadas pelo pediatra.
  79. É importante que todos os sintomas e os alimentos consumidos sejam registrados em um livro próprio, incluindo a hora da ingestão e do aparecimento dos sintomas, para auxiliar os médicos na identificação dos alimentos envolvidos na alergia.
  80. Se a retirada dos alimentos à base de leite da alimentação da mãe que está amamentando não resolver o problema, deve-se então tomar outras providências.
  81. Se a criança for muito nova, deve-se passar para um formulado onde todas as proteínas foram extensivamente hidrolisadas.
  82. Existem diversos produtos no mercado, incluindo o Alfare (Nestlé), Pregestimil (Mead Johnson), e Nutramigen (Mead Johnson), que são considerados hipoalergênicos (baixa probabilidade de provocar alergias), e podem ser encontrados em muitas farmácias.
  83. Entretanto, eles têm custo elevado e gosto desagradável.
  84. Mas têm grande probabilidade de resolver o problema de alergia na maioria dos casos.
  85. A alergia ao leite pode ser prevenida ou postergada? Em crianças com mais de cerca de 2 anos, se o pediatra recomendar, pode-se experimentar alguns alimentos por alguns dias, observando os sintomas com muito cuidado para evitar problemas mais graves.
  86. Se os sintomas aparecerem, deve-se interromper imediatamente a alimentação com estes produtos.
  87. A ordem que normalmente é usada é a seguinte: - Primeiro, trocar o leite de vaca por leite de cabra, pois o leite de cabra apresenta uns dois ou três sítios alergênicos diferentes do leite de vaca.
  88. Se, por sorte, a reação alérgica for contra um destes sítios o problema está resolvido.
  89. As chances de sucesso são de cerca de 10%.
  90. - Se o leite de cabra não resolver, tentar, então, o leite de soja.
  91. Este apresenta diferenças quando comparado ao leite de cabra e as chances da alergia acabar são maiores, estando em torno de 50 %.
  92. Neste caso, deve-se usar leite de soja enriquecido ou complementar a alimentação com sais minerais e vitaminas.
  93. O leite de soja pode ser uma opção para ser usada em crianças com reações alérgicas mediadas pela IgE, mas não pelas outras reações alérgicas.
  94. - Caso o leite de soja não resolva o problema, pode-se tentar formulados de proteínas parcialmente hidrolisadas (Nan-HA, por exemplo), devido ao seu menor custo em relação aos formulados com proteínas extensivamente hidrolisadas.
  95. A alergenicidade do formulado com proteína parcialmente hidrolisada varia e, em muitos casos, as reações alérgicas podem não ser evitadas.
  96. Desta forma, os formulados com proteínas parcialmente hidrolisadas não deve ser experimentado em crianças de alto risco, com idade até de 12 meses, apresentando alergia à proteínas do leite.
  97. Alguns formulados com proteínas parcialmente hidrolisadas contêm lactose, devendo ser evitados por crianças com intolerância à lactose.
  98. Deve-se tomar muito cuidado com formulados com proteínas parcialmente hidrolisadas, pois vários casos de choque anafilático já ocorreram nos EUA com esse produto.
  99. - Quando todos os produtos anteriores apresentarem problemas, pode-se usar os formulados com proteínas extensivamente hidrolisadas, pois eles apresentam poucos problemas de alergia, e têm sido usados com sucesso na maioria dos casos de alergia a proteínas.
  100. - Finalmente, pode-se usar um formulado contendo um complexo de aminoácidos, que é recomendado para os casos extremos de alergia (Neocate).
  101. Quais são os perigos de remover o leite de vaca da dieta? A eliminação do leite e outros produtos de laticínios da dieta pode resultar em nutrição inadequada, a menos que substitutos apropriados sejam utilizados.
  102. Cerca de 70 % do cálcio da alimentação humana vêm do leite e de derivados.
  103. Além disso, o leite também contribui com proteínas de ótima qualidade, diversas vitaminas e energia.
  104. As crianças geralmente deixam de ser alérgicas ao leite até cerca de seis anos.
  105. Neste caso, os produtos de laticínios devem ser tentativamente reintroduzidos na dieta a cada 6-12 meses, sob supervisão médica, para reduzir ao mínimo possível as restrições alimentares.
  106. O leite pasteurizado homogeneizado é mais alergênico do que o leite cru? Parece que não.
  107. As crianças com alergia às proteínas do leite de vaca mediadas por IgE apresentam a mesma reação ao leite cru e ao leite pasteurizado, homogeneizado ou não.
  108. A alergia às proteínas pode desaparecer? A maioria das crianças deixa de ser alérgicas ao leite: cerca de 60 % aos quatro anos e cerca de 80 % aos seis anos.
  109. Alguns pacientes podem ter as reações alérgicas por toda a vida.
  110. Se o leite for excluído da dieta por dois a três anos, a criança então tem cerca de 80 % de chances de tolerar leite em pequenas quantidades.
  111. As crianças que ficam alérgicas após os três anos de vida têm a tendência de se manter alérgicas por mais tempo.
  112. Estudo tem sugerido que, aproximadamente, um terço das crianças e adultos perde a condição de alérgicos após evitarem os produtos de laticínios que causam a alergia por dois ou três anos.
  113. Entretanto, os pacientes com hipersensibilidade a amendoim, nozes, peixes e crustáceos raramente perdem sua condição de alérgicos.
  114. Além disso, estes quatro alimentos é que causam a maioria das reações alérgicas que podem causar a morte por choque anafilático.
  115. O tempo necessário para a alergia desaparecer depende da severidade da reação inicial.
  116. As crianças que apresentaram sintomas de reações sistêmicas geralmente deixam de ser alérgicas depois daquelas que apresentavam sintomas de urticária em volta da boca.
  117. Como a alergia pode ser diagnosticada? A alergia pode ser diagnosticada por intermédio de diversos testes, incluindo os seguintes: 1.
  118. Teste de supressão: Suspensão do leite de vaca da alimentação e observação do desaparecimento dos sintomas.
  119. Se após a reintrodução do leite ocorrer o reaparecimento dos sintomas, o problema é de alergia.
  120. 2.
  121. Teste de provocação cutânea: Consiste em colocar pequenas gotas de leite diluído em água no antebraço ou nas costas e fazer um pequeno arranhão com uma agulha (esterilizada) na pele através da gota, verificando a reação ocorrida.
  122. Este procedimento deve ser realizado por um médico especializado.
  123. A reação de inchaço e de brilho depois de 15 minutos indica que o paciente é alérgico ao leite.
  124. Este método tem sido usado para testar se alguns alimentos (leite de vaca, leite de cabra) e formulados (proteínas de soja, hidrolisado de proteínas, hidrolisado de caseína) apresentam reações alérgicas na pele.
  125. O controle negativo é feito com solução salina e o controle positivo é feito com histamina.
  126. O tamanho da reação com a histamina normalmente é de 5 mm.
  127. Este teste é mais barato do que o teste do sangue e pode ser feito no gabinete do médico.
  128. Entretanto, o teste da pele pode apresentar resultados errôneos quando realizado em crianças com menos de 18 meses.
  129. 3.
  130. Teste de sangue (RAST, ou RadioAllergoSorbent): Uma pequena amostra de sangue é retirada e enviada para um laboratório especializado.
  131. Porém, este teste não é perfeito, pois pode apresentar resultados falsos positivos e falsos negativos.
  132. Entretanto ele não causa riscos maiores para a criança e seria apropriado para crianças com história na família de reações alérgicas que podem causar choque anafilático.
  133. Somente as reações ao leite que ocorrem após poucos minutos podem ser diagnosticadas com a da análise de sangue ou teste na pele, porque estes testes detectam a IgE que está envolvida na reação imediata.
  134. Cerca de 60% das reações ao leite são do tipo de reação tardia e, talvez, não apresentem resultados positivos nas análises de sangue ou pele.
  135. Quais são os alimentos que podem causar alergia com mais freqüência? O leite, ovo, crustáceos, peixes, nozes, trigo, frutas cítricas e amendoim são os alimentos que causam a maioria dos problemas de alergia.
  136. A alergia ao leite pode começar em qualquer idade, mas é mais comum em crianças com problemas de alergia na família.
  137. Felizmente, a alergia na maioria das crianças tende a diminuir ou desaparecer dos quatro aos seis anos.
  138. Quais são os tipos de alimentos que uma criança comprovadamente alérgica pode consumir? Antes de começar a oferecer à criança alérgica qualquer alimento diferente, é recomendável, por razões de segurança, que seja testada a antigenicidade do alimento.
  139. Pode-se utilizar um dos testes utilizados para determinar se o alimento pode causar alergias.
  140. Um formulado é chamado de “hipoalergênico” quando não causa sintomas alérgicos em pelo menos 90% de crianças comprovadamente alérgicas às proteínas do leite.
  141. Normalmente os seguintes tipos de fórmulas hipoalergênicas são utilizados: 1) Fórmulas com caseína e proteínas do soro hidrolisadas; 2) Fórmulas com outras proteínas hidrolisadas (carne e soja); 3) Fórmula com proteína de soja; 4) Fórmulas com carne de frango triturada; 5) Fórmula completa com aminoácidos misturados.
  142. As fórmulas baseadas em caseína extensivamente hidrolisadas têm sido utilizadas por mais de 40 anos.
  143. Nestes formulados, a fonte de nitrogênio está presente na forma de peptídeos e aminoácidos livres.
  144. Eles apresentam baixas reações clínicas de alergia, têm sabor desagradável e são caros.
  145. Os formulados com proteínas do soro extensivamente hidrolisadas são relativamente mais novos, sua fonte de nitrogênio são peptídeos e são mais palatáveis do que as formulas com caseína hidrolisada.
  146. Os formulados com proteínas parcialmente hidrolisadas podem ser menos alergênicos do que o leite de vaca (menor percentual de alergia em uma mesma população), mas contêm polipeptídeos que podem causar sintomas de alergia em cerca de 50% das crianças que apresentam alergia às proteínas do leite.
  147. Portanto, elas não são recomendadas para essas crianças.
  148. Quais são os sintomas da intolerância à lactose? Os sintomas mais comuns da intolerância à lactose são náusea, dores abdominais, diarréia ácida e abundante, gases e desconforto.
  149. A severidade dos sintomas depende da quantidade ingerida e da quantidade de lactose que cada pessoa pode tolerar.
  150. Apesar de os problemas não serem perigosos, eles podem ser bastante desconfortáveis.
  151. Quais são os tipos de intolerância à lactose? Existem dois tipos básicos de intolerância à lactose: a genética e a adquirida.
  152. A intolerância genética é maior em determinadas raças de seres humanos.
  153. Assim, são intolerantes genéticos à lactose cerca de 90% dos asiáticos (chineses, japoneses, filipinos, coreanos etc.
  154. ), 75% dos negros, árabes, judeus, gregos cipriotas, esquimós, índios e cerca de 15 % dos europeus.
  155. A intolerância genética, entretanto, só aparece após alguns anos de vida, dois a três anos, por exemplo, apesar de haver raras exceções.
  156. Crianças de qualquer raça com menos de um ano, normalmente, são tolerantes à lactose.
  157. A intolerância aparece depois.
  158. A intolerância adquirida ocorre quando houver fatores que possam causar doenças digestivas que promovem inchaço das vilosidades do intestino, que escondem a lactase e não deixam que ela exerça a sua função de hidrolisar a lactose.
  159. Neste caso, os mesmos sintomas de diarréia abundante e gasosa também ocorrerão.
  160. O inchaço das vilosidades pode ocorrer devido, por exemplo, à ingestão de alimentos contaminados (intoxicação, por exemplo), diarréia infecciosa, doença celíaca e parasitas, que poderão causar irritação do intestino.
  161. As crianças, cujos intestinos são ainda delicados, são especialmente vulneráveis à intolerância adquirida.
  162. Entretanto, quando o problema inicial for resolvido (irritação das vilosidades), a pessoa deixa de ser intolerante à lactose, pois a enzima poderá continuar a exercer normalmente a sua função.
  163. Nos casos de intolerância adquirida, o leite e outros alimentos que tenham lactose devem ser removidos da alimentação até a normalização do intestino.
  164. Afortunadamente, todos os bebes voltam a ser tolerantes à lactose após a cura do problema original.
  165. A intolerância adquirida à lactose é, portanto, reersível, enquanto que a intolerância genética é irreversível.
  166. Outro tipo de intolerância é aquele decorrente de cirurgias, quando, por exemplo, uma parte do intestino é removida.
  167. Neste caso, a quantidade de lactase no intestino pode se tornar insuficiente para hidrolisar a lactose, mesmo se, anteriormente à operação, a pessoa era tolerante à lactose.
  168. Como se pode diagnosticar a intolerância à lactose? A intolerância à lactose pode ser diagnosticada por diversos testes, incluindo: 1.
  169. O teste de tolerância, que consiste em fornecer lactose pura ao paciente e a concentração de glicose no sangue é monitorada por duas horas.
  170. Se a pessoa for tolerante à lactose a concentração de glicose no sangue aumenta, e se for intolerante ela aumenta muito pouco ou não aumenta.
  171. Este teste não é usado em crianças muito novas, pois a grande carga de lactose pode causar diarréia e desidratação, acarretando problemas sérios.
  172. 2.
  173. A monitoração da quantidade de hidrogênio nos gases exalados pela respiração, após a ingestão da lactose.
  174. O hidrogênio é produzido pela fermentação da lactose pelas bactérias quando ela chega ao intestino grosso, onde não deveria chegar.
  175. O hidrogênio é absorvido pelo intestino, transportado pela corrente sangüínea até os pulmões e, então, exalado pelo ar que sai.
  176. Se o paciente consumir leite, por exemplo, e se a concentração de hidrogênio do ar exalado aumentar, isto indica que a lactose não foi propriamente digerida.
  177. Este teste não é usado em crianças muito novas, pois a grande carga de lactose pode causar diarréia e desidratação.
  178. Alguns medicamentos e alimentos, além de cigarro , podem interferir neste teste.
  179. 3.
  180. O teste da acidez das fezes é realizado para se determinar se a lactose chegou ao intestino grosso, o que produz ácido lático e outros ácidos que acidificam as fezes.
  181. Este teste é útil em crianças muito novas e pode fornecer alguma idéia se a criança é intolerante à lactose.
  182. Quanto tempo leva para aparecerem os sintomas da intolerância à lactose? Os sintomas podem levar de alguns minutos até muitas horas para aparecer.
  183. A peristaltase, ou seja, o movimento muscular que empurra o alimento ao longo do estômago pode influenciar o tempo para o aparecimento dos sintomas.
  184. Como tratar a intolerância à lactose? Felizmente, a intolerância à lactose é muito fácil de ser contornada.
  185. Nenhum tratamento existe para aumentar a capacidade de produzir lactase, mas os sintomas podem ser controlados pela dieta.
  186. Crianças muito novas que são intolerantes não devem comer alimentos com lactose.
  187. Mas a maioria dos jovens e dos adultos não precisa evitar a lactose completamente.
  188. As pessoas diferem nas quantidades de lactose que podem ingerir: alguns podem tomar um copo de leite sem problemas, mas não podem tomar dois copos.
  189. Outros podem consumir queijos curados, mas não podem consumir queijos frescos.
  190. O controle da dieta para as pessoas intolerantes depende de se experimentar os limites que cada um suporta, usando a tentativa e erro.
  191. Para aquelas pessoas que reagem a pouca quantidade de lactose, é possível encontrar no mercado leite cuja lactose foi hidrolisada na indústria, antes de ser comercializado.
  192. Já existe no mercado brasileiro leite UHT hidrolisado, ou com baixo teor de lactose, sendo produzido por diversas empresas.
  193. Este tipo de leite é semelhante ao leite UHT, com sabor normal, contendo todos os nutrientes do leite, apesar de ser um pouco mais doce.
  194. Já existe também o leite hidrolisado em pó.
  195. O leite hidrolisado pode ser usado para fazer iogurte, bolos, pudins etc. e não causará problemas de intolerância.
  196. Um desenvolvimento recente são pastilhas mastigáveis contendo lactase, que ajudam as pessoas a digerir alimentos sólidos contendo lactose.
  197. Três a seis tabletes são ingeridos antes da ingestão do produto contendo lactose.
  198. O que é a lactose “escondida”? A lactose pode ser ingrediente de diversos alimentos, e as pessoas que apresentam tolerância muito baixa à lactose podem apresentar os sintomas, mesmo quando ingerirem quantidades muito baixa.
  199. Deve-se ler com atenção os rótulos dos alimentos, incluindo os ingredientes.
  200. Preste atenção em subprodutos do leite, incluindo, soro, leite em pó etc.
  201. Eu tenho intolerância à lactose, eu deveria desistir dos produtos de laticínios? Certamente não.
  202. Além de não ser necessário, não é uma boa idéia.
  203. Adultos e crianças precisam dos nutrientes do leite para se manter saudáveis.
  204. Existem diversos meios de você se alimentar de produtos de laticínios sem apresentar os desconfortos da intolerância.
  205. Tente descobrir seu próprio nível de intolerância à lactose.
  206. Experimente beber pequenas quantidades de leite de uma vez e, então, beba mais vezes durante o dia.
  207. Beba o leite com outros alimentos e não com o estômago vazio.
  208. O leite integral é melhor tolerado porque ele é digerido mais lentamente do que o leite desnatado.
  209. Produtos como o iogurte e queijos curados podem ser melhor tolerados.
  210. Experimente o leite hidrolisado.

Receitas sem leite e sem ovo
Receitas sem leite e sem ovo

Vídeos relacionados:

Você também pode gostar ...

Avalie!
5.0 4
4
Envie uma foto desta receita! Adicionar ao livro
Este comentário foi relevante? 2

PASTEL DE FORNO


NÃO TEM COMO FAZER SEM BATATA

alan - em 07/06/2010
Este comentário foi relevante? 0

Só elogios


Adorei o site,otimas receitas,parabéns.

Rosângela de Souza - em 01/03/2013
Vídeos - Como Fazer